OS CONFLITOS: A ADVERTÊNCIA DE ERASTO

Nelson Murilo Madeira Cardoso

Em uma mensagem publicada na Revista Espírita de dezembro de 1863, ditada pelo Espírito Erasto, um dos principais colaboradores de Kardec na codificação, foi bastante contundente ao definir de forma muito clara a estratégia que seria usada pelos espíritos imperfeitos para alterar profundamente os ensinamentos revelados pelo Espiritismo; usando, para isso, médiuns e Espíritos. É esta mensagem que iremos analisar aqui.

Já no início da mensagem, Erasto começa a mostrar um bom conhecimento dos motivos que levam às distorções sofridas pelo Espiritismo: “De todos os lados surgem médiuns com supostas missões, dizendo-se chamados a empunhar a bandeira do Espiritismo e plantá-la sobre as ruínas do velho mundo, como se viéssemos destruir, logo nós que viemos para construir. Não há individualidade, por medíocre que seja, que não tenha encontrado, como Macbeth, um Espírito para lhe dizer: ‘Tu também serás rei’, e que não se julgue escolhida para um apostolado muito particular”.

Se trocarmos o nome de grupos familiares, muito comuns à época, pelo nome “casa espíritas”, estaremos compreendendo bem como o orgulho e a vaidade humanas, habilmente alimentadas por espíritos inferiores, conseguem até o presente, alterar os ensinamentos fundamentais da doutrina espírita: “Há poucas reuniões íntimas, e até mesmo grupos familiares, que não tenham contado entre os seus médiuns ou seus simples crentes, uma alma bastante envaidecida para se julgar indispensável ao sucesso da grande causa, demasiado presunçosa para se contentar com o modesto papel de obreiro, trazendo a sua pedra ao edifício. Ah! meus amigos, quantas pessoas discutem e nada fazem !”

            Erasto associa sempre os dois lados: a comunicação dos Espíritos e os homens, agindo em total sintonia. Quando fala dos médiuns, adverte: “Quase todos os médiuns iniciantes estão sujeitos a essa perigosa tentação. Alguns resistem, mas muitos sucumbem, ao menos por algum tempo, até que malogros sucessivos venham desiludi-los”. Essa perigosa tentação que é a vaidade, como vimos acima, é alimentada pelos espíritos imperfeitos, e sobre isso ele pergunta: “E que querem certos Espíritos da erraticidade, fomentando a exaltação do amor-próprio e do orgulho entre as mediocridades encarnadas, senão entravar o progresso?”.

             No evidente propósito de aniquilar a doutrina, esses espíritos alimentam as fraquezas morais de médiuns e demais adeptos que, segundo Erasto: “A este, tal Espírito promete o segredo da transmutação dos metais, como a um médium de R…; a outro, como a M…, um Espírito revela pretensos acontecimentos que vão realizar-se, fixa as épocas, precisa as datas, nomeia os atores que devem concorrer ao drama anunciado; a um terceiro, um Espírito mistificador ensina a incubação dos diamantes; finalmente, a outros são indicados tesouros ocultos, prometem fortuna fácil, descobertas maravilhosas, glória, honrarias, etc.; numa palavra, todas as ambições e todas as cobiças dos homens são habilmente exploradas por Espíritos perversos. Eis por que, de todos os lados, vedes esses pobres obsidiados, preparando-se para subir ao Capitólio, com uma gravidade e uma importância que entristecem o observador imparcial”. Quantos oradores conhecemos que estão incluídos nesta questão?

             A diferença entre o médium que tem a consciência de que nem toda mensagem por ele recebida é confiável e aquele médium que aceita todas as informações das mensagens como verdade absoluta, é explicado assim por Erasto, um dos Espíritos mais respeitados por Kardec. Sobre esse quadro, acrescenta-nos o Espírito: “Tanto é a modéstia o apanágio dos médiuns escolhidos pelos Espíritos bons, quanto o orgulho, o amor-próprio e, digamos, a mediocridade são os distintivos dos médiuns inspirados pelos Espíritos inferiores; tanto os primeiros não se preocupam com as comunicações que recebem, quando estas se afastam da verdade, quanto os segundos mantêm contra todos a superioridade do que lhes é ditado, ainda que absurdos. Daí resulta que, conforme as palavras pronunciadas na Sociedade de Paris por seu presidente espiritual, São Luís, uma verdadeira Torre de Babel está prestes a edificar-se entre vós”. Percebemos, a partir desta mensagem, uma semelhança com o que está ocorrendo no Brasil, onde o Espiritismo foi propositalmente desfigurado.

 Ele fala com precisão e atualidade de uma ardilosa cruzada no trecho seguinte: “Aliás, fora preciso ser cego ou iludido para não reconhecer que, à cruzada dirigida contra o Espiritismo pelos adversários natos de toda doutrina progressista e emancipadora, junta-se uma cruzada espiritual, dirigida por todos os Espíritos pseudo-sábios, falsos grandes homens, falsos religiosos e falsos irmãos da erraticidade, fazendo causa comum com os inimigos terrenos, por meio dessa multidão de médiuns por eles fanatizados, e aos quais ditam tantas elucubrações mentirosas”. Essa associação macabra mais de uma vez é citada na mensagem aqui referida. E quando querem impressionar os desatentos homens, os Espíritos imperfeitos usam mais outra artimanha, a qual também é explicitada por Erasto: “Como sabeis, os Espíritos imperfeitos, que representam um papel de apóstolo junto a seus obsidiados, não têm o menor escrúpulo em se fazerem passar pelos mais venerados nomes”.

Essa advertência feita aos Espíritas nos parece que até hoje não foi ouvida: “É urgente que vos resguardeis contra todas as publicações de origem suspeita, que pareçam ou possam parecer contrárias a todas as que não tiverem um estilo franco e claro, e tende por certo que algumas são elaboradas nos campos inimigos dos mundos visível ou invisível, visando a lançar entre vós os pomos de discórdia. Cabe a vós não vos deixar apanhar; tendes todos os elementos necessários para as apreciar. Mas tende igualmente como certo que todo Espírito que a si mesmo se anuncia como um ser superior e, sobretudo, como de uma infalibilidade a toda a prova, é, ao contrário, o oposto do que anuncia tão pomposamente”.

             Quantos Espíritos conhecemos que estão nesta condição? Nomes famosos estão nas capas dos livros ao lado de seus não menos famosos médiuns, em milhares de best-sellers publicados e vendidos por aqui, no “coração do mundo”. Erasto, prevendo a queda dos que deveriam trazer aos seres humanos a mensagem fraterna da filosofia espírita, lamenta: “Ah! se tantos Espíritos imperfeitos se imiscuem na obra que perseguimos, tenho um pesar muito maior ao constatar que, entre os nossos melhores auxiliares da Terra, muitos vergaram ao peso da tarefa e, pouco a pouco, retomaram os atalhos de suas antigas fraquezas, de tal sorte que as grandes almas etéreas que os aconselhavam, foram, a partir de então, substituídas por Espíritos menos puros e menos perfeitos”. Neste ponto, levantamos outra questão: será que esses médiuns estão realmente psicografando obras dos Espíritos que assinam? Ou, sendo bons Espíritos, esses já teriam deixado os referidos médiuns há muito tempo?

             Mais à frente continua o autor desta mensagem: “[…] aqueles a quem eu vos aconselho que desconfieis são os hipócritas perigosos, aos quais, à primeira vista, se é tentado a conceder toda a confiança. Auxiliados por uma postura rígida, sob o olho observador das massas, conservam esse ar sério e digno, que leva os outros a dizerem deles: ‘Que criaturas respeitáveis!’, ao passo que, sob essa respeitabilidade aparente, por vezes se dissimulam a perfídia e a imoralidade. São afáveis, obsequiosos, cheios de amenidades; insinuam-se nos interiores; exploram com prazer a vida privada; escutam atrás das portas e se fazem de surdos para melhor ouvir”. Você já parou para pensar quantos desses conhecemos no meio espírita brasileiro?

             Sobre o quadro dos famosos médiuns a que nos referimos, cujas obras são muito vendidas por terem os seus nomes na capa, diz Erasto, em um passado que se mostra atual: “O número dos médiuns é hoje incalculável e é deplorável ver que alguns se julgam os únicos chamados a distribuir a verdade ao mundo e se extasiam ante banalidades que consideram monumentos. Pobres iludidos, que se abaixam passando sob arcos triunfais, como se a verdade devesse esperar sua vinda para ser anunciada!”.

             Finalmente, com o conteúdo desta importante mensagem atemporal, o Espírito Erasto nos faz refletir, levando-nos a solicitar que os médiuns, incluindo também todo dirigente e frequentador das sociedades espíritas atuais – os quais infelizmente não podemos mais chamar de Espíritas tal a distância que tomaram do Espiritismo -, retornem às raízes da doutrina espírita, pois foi de onde “por mil vozes desconhecidas que a verdade se espalhou, e é justamente por essa unanimidade que ela se fez reconhecida. Contai essas vozes, contai os que as escutam; contai, sobretudo, as que tocam o coração, se quiserdes saber de que lado está a verdade”.

            Quantos frequentadores, hoje, das casas espíritas, terão a preocupação de ouvir essas vozes desconhecidas que nos revelaram a doutrina espírita? Pouquíssimos, certamente! Pelo contrário, somente aceitam as vozes dos famosos e idolatrados que usualmente usam a tribuna para se glorificarem.

            Porém, ao analisarmos a conclusão de sua mensagem, um fio de esperança nos aparece sobre o futuro que ainda poderá surgir após este terremoto na Escala Richter 9, que tenta acabar com o Espiritismo no Brasil. Essa esperança chega nas palavras finais de Erasto. “Em meio a esta avalanche de mediocridades, de impossibilidades e de utopias irrealizáveis, a verdade esplêndida desabrochará na sua grandeza e majestade”.

BIBLIOGRAFIA: Mensagem intitulada “Os Conflitos”, assinada pelo Espírito Erasto e recebida em reunião particular a 25 de fevereiro de 1863 – Médium: Sr. d’Ambel. Publicada na Revista Espírita de dezembro de 1863. Grifos nossos.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.