DE SENHOR À GOVERNADOR DO PLANETA…

…O MITO CRISTO TENTA APAGAR O HOMEM JESUS, TAMBÉM NO ESPIRITISMO BRASILEIRO.

NELSON MURILO MADEIRA CARDOSO
O ator Leonardo Medeiros interpretou Allan Kardec
no filme de Wagner de Assis

Na questão 100, de O Livro dos Espíritos, encontramos a escala espírita, trazida pelos Espíritos, analisada e publicada por Allan Kardec, que assim a define: “A classificação dos Espíritos baseia-se sobre o grau de seu adiantamento e sobre as imperfeições das quais devem ainda se despojar.” (KARDEC, 1857). Encontramos mais adiante, na questão 111, a definição dos Espíritos Superiores, com a conclusão de Kardec: “Quando, por exceção, encarnam sobre a Terra, é para cumprirem missão de progresso, oferecendo-nos o modelo de perfeição a que a Humanidade pode aspirar neste mundo”. Vejamos agora a pergunta 625: “Qual o modelo mais perfeito que Deus ofereceu ao homem para lhe servir de guia e de modelo?” A resposta dos Espíritos é direta e simples: “Vide Jesus.” (KARDEC, 1857).
Nesta comparação entre as duas questões, encontramos alguma semelhança nas respostas? Vejamos:
– O modelo de perfeição para a humanidade aparece nas duas respostas. Podemos concluir que Jesus é um desses modelos, embora seja o modelo mais perfeito, como consta na questão 625. Sendo assim, Jesus é um Espírito Superior. Vamos continuar: nesta classificação passada pelos espíritos: além dos Espíritos Superiores estão os Espíritos Puros, mencionados na questão 112, sendo assim definidos como os que, em resumo: “Não sofrem influencia da matéria, superioridade intelectual e moral absoluta em relação aos Espíritos das outras ordens.(…) Não estando mais sujeitos À REENCARNAÇÃO EM CORPOS PERECÍVEIS, é para eles a vida eterna, que desfrutam no seio de Deus.” (Destaque nosso).

Mas, afinal, que diferença faz a posição de Jesus sendo Espírito Superior ou Espírito Puro?

Vamos analisar a questão, nas palavras de Kardec: “Esta classificação, de resto, nada tem de absoluta, cada categoria não apresenta um caráter nítido senão no seu conjunto”. Acrescentando, porém, que, “esta consideração que não se deve jamais perder de vista: é que entre os Espíritos, do mesmo modo que entre os homens, há os muito ignorantes, não sendo demais colocar-se em guarda contra a tendência a crer que todos devem tudo saber porque são Espíritos. (KARDEC, 1857). (destaque nosso).

Portanto, podemos deduzir que temos a necessidade de classificar os Espíritos de acordo com suas características para podermos ter condições de avaliar aqueles que a nos se dirigem e a consistência de suas mensagens. Espíritos Imperfeitos se apresentam com algum conhecimento intelectual, trazido de encarnações próximas, enganando as pessoas bem intencionadas sem possuírem o estudo preventivo necessário. Esclarece Kardec, em O Livro dos Médiuns, primeira parte, capítulo IV, que: “Os Espíritos que ditaram o livro que lhes traz o nome demonstraram a sua sabedoria, mantendo-se, pelo que concerne ao princípio das coisas, dentro dos limites que Deus não permite sejam ultrapassados e deixando aos Espíritos sistemáticos e presunçosos a responsabilidade das teorias prematuras e errôneas, mais sedutoras do que sólidas, e que um dia virão a cair, ante a razão, como tantas outras surgidas dos cérebros humanos.” (KARDEC, 1861). (Fizemos questão do destaque!).

Verificando pela ótica da razão, a diferença existente entre o Jesus, modelo mais perfeito para os homens, colocada na questão 625, e o Jesus Cristo, o Filho do Homem, o Messias, o Senhor, o Filho Unigênito, o governador do planeta, o Verbo de Deus, “instrumento da criação muito antes de unir-se misticamente ao corpo do judeu Jesus Cristo” (VERMES, 2006), títulos trazidos pelos sistemáticos homens do cristianismo e agora copiado pelos Espíritos Cristãos e sistemáticos, têm uma enorme diferença! Tanto os homens do cristianismo como os espíritos imperfeitos são responsáveis por levarem as pessoas a crerem em uma ideologia mística. Os mistificadores mantém esse mito há dois mil anos; e na época atual, contrariando a revelação dos Espíritos para impulsionar a humanidade, passou a ser difundido por médiuns e palestrantes usando como referência os espíritos de sistema e pseudo-sábios, que segundo Kardec demonstra na questão 104, de O Livro dos Espíritos, pertencem a classe dos Espíritos Imperfeitos. Entre os mais conhecidos no Brasil estão: Emmanuel, Joanna de Angelis e Miramez.

Podemos agora compreender o motivo da classificação dos Espíritos e porque se torna relevante a definição de Jesus como Espírito Superior e não como Espírito Puro. Mas compreendemos também o motivo que levou os adeptos do Espiritismo, sem o devido cuidado, a aceitarem sem questionar as afirmações desses Espíritos sistemáticos e pseudo-sábios, assim como aceitar o discurso enganoso dos médiuns, oradores famosos e os futuros candidatos, como verdades indiscutíveis; sendo que pela fascinação coletiva gerada, os transformaram em ídolos.

Para encerrar, vamos trazer estas palavras de Kardec, que certamente servirá, ao mesmo tempo, para os incansáveis mistificadores e para os descuidados adeptos do Espiritismo: “Para julgar os Espíritos, como para julgar os homens, é necessário antes saber julgar-se a si mesmo. Há infelizmente muita gente que toma a sua própria opinião por medida exclusiva do bem e do mal, do verdadeiro e do falso. Tudo o que contradiz a sua maneira de ver, as suas ideias, o sistema que inventaram ou adotaram é mau aos seus olhos. Falta a essas criaturas, evidentemente, a primeira condição para uma reta apreciação: a retidão do juízo. Mas elas nem o percebem. Esse o defeito que mais enganos produz.” (KARDEC, 1861) (destaque nosso).

Convém lembrar que: “Os Espíritos bons só dizem o que sabem, calando-se ou confessando a sua ignorância sobre o que não sabem. Os maus falam de tudo com segurança, sem se importar coma verdade. Toda heresia científica notória, todo princípio que choque o bom senso revela a fraude, se o Espírito se apresenta como esclarecido.” (KARDEC, 1861) e que “São exclusivistas e absolutos nas suas opiniões e pretendem possuir o privilégio da verdade. Exigem a crença cega e nunca apelam para a razão, pois sabem que a razão lhes tiraria a máscara.” (KARDEC, 1861).

Hoje podemos perceber, pelos avançados estudos de homens que desejam a verdade dos fatos, o quanto Jesus nos trouxe do amor incondicional ao próximo; fatos esses, sobreviventes nas entrelinhas dos enxertos e omissões de suas mensagens e feitos ao longo desses milênios. Esperamos que o Espiritismo sobreviva, na íntegra de seus ensinos morais, superando as deturpações tão difundidas hoje, nos ambientes espíritas, sem necessitar de outros milênios!

BIBLIOGRAFIA: O Livro dos Espíritos – Allan Kardec.

O Livro dos Médiuns – Allan Kardec.

As Várias Faces de Jesus – Geza Vermes.

Imagem destacada de uma foto do filme “Kardec”, de Wagner de Assis:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.