LIBERDADE DE ESCOLHA, PRINCÍPIO DE TODA RELIGIÃO

NELSON CARDOSO

Seguir uma religião é necessidade pessoal que não se questiona, pois cada um a traz em seu íntimo e estando adequada à sua vida, preenchendo as suas dúvidas, permite o encontro necessário com o seu lado espiritual, lhe trazendo conforto e ajudando o seu relacionamento afetivo e fraterno.

Porém, ao despertar em si, questões cujas explicações já não mais lhe satisfazem, pode a pessoa procurar caminhos novos para as suas perguntas ou se acomodar em função do medo da mudança, que às vezes aumenta, pela forma como a sua religião trata essas situações.

Esse momento, sendo consciente o suficiente para a pessoa superar os seus medos, faz com que ela saia à procura das respostas que não mais obtinha. Este despertar de sua razão, nunca será um ato de rebeldia, embora todo o sistema a que pertencia, assim lhe tente mostrar.

Em seu livro “O problema com Deus”, Bart Ehrman, um dos maiores especialistas em estudos bíblicos e origens do Cristianismo, que deixou a crença Cristã para tornar-se agnóstico, diz: “Pessoas que passam por uma espécie de “desconversão”, como a minha, compreendem como ela pode ser emocionalmente angustiante.” Com todo o conhecimento teológico e prático de um pastor evangélico, que se depara com a falta de respostas ao sofrimento humano, mantém o equilíbrio da razão que o levou à decisão de abandonar o Cristianismo, quando pergunta sobre outras pessoas na mesma condição: “Mas e se estiver absolutamente comprometido a ser honesto consigo mesmo e com a sua compreensão da verdade?”, se justificando mais à frente:  “Perdemos a fé não apenas na Bíblia, como palavra inspirada por Deus, mas em Cristo como a única forma  de salvação e depois na própria visão de que o Cristo era divino.”

 Também o incomodam, os ritos da religião, como por exemplo a oração de agradecimento às refeições: “Se tenho comida porque Deus a deu a mim, então outros não tem comida porque Deus escolheu não dar a eles? Como posso agradecer a Deus sem, por implicação, culpar Deus pelo estado do mundo? Mostrou entre as angústias por que passou, a forma como seus entes o encaravam: “Não é fácil ser íntimo de alguém que pensa que você está mancomunado com satanás.”

O objetivo deste artigo, logicamente não é o de ser proselitista, porém mostrar como é importante a pessoa perceber-se diante do chamado de sua razão, procurando respostas às suas questões íntimas, evitando desta forma, tornar-se presa dos seus medos.

Allan Kardec, sempre se revelando um homem lúcido e de ampla visão, afirma: “Não tendo o Espiritismo nenhum dos caracteres de uma religião, na acepção usual da palavra, não podia nem devia enfeitar-se com um título sobre cujo valor inevitavelmente se teria equivocado. Eis por que simplesmente se diz: Doutrina filosófica e moral.” (KARDEC, 1868).

O Espiritismo, não sendo religião, e, portanto, não possuindo dogmas, está livre para analisar todas as posições teológicas, pois acompanha estritamente o avanço da ciência e o progresso da humanidade. Entretanto, apresentado como religião dogmática-cristã, como ocorre no Brasil, se afasta de seu princípio fundamental: o acolhimento fraterno irrestrito, pois passa a disputar espaço com as demais religiões, onde o crente, já estando em dúvidas, e conhecedor das bases dogmáticas do Cristianismo, que justamente o levou ao questionamento, não irá procurar outra religião que tenha as mesmas bases místicas! Está sendo a casa espírita, apenas um templo religioso a mais, frequentado por cristãos-dogmáticos convictos!

A LIBERDADE DE PENSAR, É GERADA PELA AUTORIDADE DO ESPIRITISMO, que vem da universalidade dos ensinos dos Espíritos. Assim, permite que o Espiritismo esteja sempre ao lado do progresso da humanidade, liberando o membro de qualquer religião ou seita para adquirir, sem restrições, as explicações advindas das revelações dos Espíritos e permanecendo na sua religião.

Inconcebível é o inverso, onde a religião dogmática se infiltra em seu meio, destruindo os princípios da Doutrina Espírita.

Bibliografia: O Problema com Deus, Bart Ehrman, 2008.

Revista Espírita, Allan Kardec, dezembro de 1868, Ed. FEB.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.